Como Planejar Viagem para Europa

Depois de 40 dias viajando, o ILoveTrip trás para vocês um conjunto de posts para tirar de vez todas as dúvidas sobre como fazer seu mochilão na Europa.

Primeiro iremos apresentar dicas sobre tudo que você deve saber antes de embarcar na viagem. Depois, iremos postar informações úteis, fotos e conteúdos exclusivos sobre os países que visitamos.

Sumário

Mochilão na Europa: Roteiro

Para começar, montamos um índice com todos os tópicos do nosso roteiro que iremos postar nos próximos dias.

Índice países e cidades da Europa

  • Portugal (Lisboa e Sintra) – em breve!
  • Espanha (Madrid, Toledo e Barcelona) – em breve!
  • Itália (Roma, Florença e Veneza) – em breve!
  • Alemanha (Munique e Rota Romântica, Berlim) – em breve!
  • Holanda (Amsterdã e Parque Kopenhof) – em breve!
  • Bélgica (Bruxelas) – em breve!
  • Inglaterra (Londres) – em breve!
  • França ( Paris e Versalhes) – em breve!

Mapa do nosso roteiro na Europa


Visualizar Roteiro Europa – ILoveTrip em um mapa maior

Dúvidas? Sugestões? Opiniões sobre a Europa? Deixe abaixo o seu comentário. 

Europa: Planejamento da viagem – Cronograma

Por onde começar? A questão pode ser simples para alguns, mas é difícil para muitos. Viajar para Europa, principalmente para principiantes, pode parecer complicado demais. São diversas dúvidas e por isso mesmo as pessoas muitas vezes optam pela comodidade de uma agência de viagens.

Mas, fique tranquilo! Se você está com dúvidas, pode ter certeza que não é o único. Leia todos os nossos posts e no final você verá que viajar para a Europa é mais simples do que parece.

Planejamento da viagem para Europa – Cronograma

Falamos sobre a importância de adequar o roteiro dependendo da sua preferência e disponibilidade de tempo. Durante nossa experiência, deixamos algumas coisas para última hora, perdemos algumas oportunidades e passamos muito tempo tentando achar as hospedagens com melhor custo benefício.

Por isso, listamos abaixo uma sugestão de cronograma que achamos ideal para auxiliá-lo a se programar e não se esquecer do essencial. Aproveite e adapte o conteúdo às suas necessidades. Confira a seguir:

Seis meses antes da viagem

Está inseguro com outro idioma? Tem segurança, mas quer treinar ou aprender algo diferente? Na Europa o idioma mais conhecido é o inglês, porém, você irá se deparar com inúmeros outros idiomas como alemão, francês, espanhol, italiano e até mesmo o próprio português de Portugal (que é um pouquinho diferente do nosso). Se tiver disposição, aproveite a deixa para fazer um curso básico do idioma que preferir e tenha o privilégio de treinar a outra língua no país de origem.

Cinco meses antes da viagem

Comece a providenciar os documentos necessários.  Veja lista de documentos no post ao longo desse post.

Quatro meses antes da viagem

  • Defina quantos dias terá disponível para viajar e qual a sua preferência por mês e estação do ano para visitar os lugares. Lembre-se que na Europa o clima é mais rigoroso e as estações do ano são em períodos diferentes das estações no Brasil.
  • Leia as informações do ILoveTrip e de outras fontes sobre os lugares e passeios que deseja fazer em cada cidade. Assim, você poderá ter um panorama geral sobre os lugares que pretende conhecer e estimar também o tempo que deverá ficar em cada lugar.
  • Decida sobre quais atrações e passeios você quer fazer e pesquise valores, datas e horários de funcionamento de cada um. As atrações geralmente não ficam abertas todos os dias, por isso, é bom pesquisar antes para não perder aquele passeio imperdível porque você não chegou no horário ou porque o lugar estava fechado bem no dia que você visitou a cidade.  Algumas atrações também são gratuitas em determinados dias. Programe-se e aproveite para economizar!
  • Escolha as cidades que deseja visitar.
  • Monte um roteiro com os dias que irá ficar em cada cidade. Lembre-se que você sempre terá opções de coisas novas para conhecer, por isso, tente deixar o seu roteiro com certa folga entre os dias de chegada e partida. Deixar para reservar hotéis e transportes internos durante o percurso também é uma opção de tornar sua viagem mais flexível. Isso dependerá se o seu estilo é mais conservador ou mais aventureiro.

Três meses antes da viagem

  • Escolha a data da viagem. Observe a estação do ano, sua disponibilidade e também promoções das empresas aéreas. Você poderá economizar muito dependendo do dia que escolher para viajar.
  • Compre as passagens de ida e volta. Atente-se para escalas e conexões que terá que fazer porque você corre o risco de demorar o dobro do tempo para chegar ao destino final. Isso pode ser cansativo ou então muito bom no caso de um stopover – uma parada estratégica em uma cidade que queira fazer um bate-volta rápido. Mas cuidado, nem sempre isso é vantajoso e não são todas as empresas aéreas que dispõe deste se serviço. Se informe antes de comprar sua passagem.
  • Decida quais serão os transportes internos para locomoção de uma cidade/país a outro e, caso necessário, reserve as passagens.
  • Reserve os hotéis. Procure informações sobre a opinião de outros hóspedes e tire todas as suas dúvidas antes da reserva. Confira as dicas e alguns dos sites que recomendamos para obter informações sobre a credibilidade e disponibilidade do hotel ou pousada.

Dois meses antes da viagem

  • Pesquise a rota, a duração e que transporte utilizar do aeroporto/estação para chegar até o hotel ou pousada. Não se esqueça de pesquisar a rota inversa também.
  • Veja os endereços dos Postos de Informações Turísticas e como fazer para chegar até um deles. Lá você poderá pegar dicas locais, mapa da cidade, comprar tickets para passeios e tirar outras dúvidas.
  • Se for necessário, reserve passeios e automóveis. Saiba mais informações sobre documentação para dirigir nos países da União Européia na seção Europa: Transporte entre os países.

Um mês antes da viagem

  • Pesquise sobre câmbio e decida se levará dinheiro em espécie, cartão de crédito ou outras formas de moeda.  Providencie a quantidade suficiente para ficar tranqüilo durante a viagem e não se esqueça de sempre ter uma reserva.
  • Faça uma lista com as compras que você pretende fazer.
  • Comece a fazer um check-list com todos os itens que não podem faltar na sua mala. Leia as dicas nas seções Europa: O que levar na mala – roupas, Europa: O que levar na mala- acessórios úteis, Europa: O que levar na mala – outros itens, Europa: Como arrumar as malas?.

Três semanas antes da viagem

Escolha a mala para levar. Veja dicas na seção Europa: Levar mala ou mochila?.

.

Duas semanas antes da viagem

 

Leia no ILoveTrip e em outras fontes, mais informações sobre as cidades que você escolheu, selecionando dicas e ficando por dentro das roubadas que você deve evitar.  Comprar um guia impresso ou virtual para levar durante a viagem também é uma boa.

Uma semana antes da viagem

Selecione algumas músicas, revista, livro ou outros passatempos para se entreter durante a viagem. Vale também um relaxante para dormir.

Três dias antes da viagem

Separe todos os documentos e imprima as reservas e mapas que irá usar.

Dois dias antes

Faça as malas riscando do check-list todos os itens que for colocando dentro da bagagem. Confira as dicas na seção Europa: Como arrumar as malas?.

Um dia antes

Organize sua bagagem de mão com os objetos pessoais, remédios e os documentos. Veja as dicas na seção Europa: Como arrumar as malas?.

Dia da viagem

  • No dia da viagem, escolha roupas confortáveis para usar. Lembre-se, você ficará pelo menos 10 h dentro do avião. Não se esqueça de levar na bagagem de mão os remédios, algo para comer e objetos pessoais. Confira dicas na seção Europa: Como arrumar as malas?.
  • Chegue no aeroporto com pelo menos duas horas de antecedência, faça o check-in e despache suas malas.

Antes, durante e depois da viagem

A hora chegou! Agora é só aproveitar e curtir cada momento da sua grande viagem!

Europa: Documentos Necessários

Para entrar na Europa não é necessário tirar o visto. Você precisa apenas do passaporte válido. Quando chegar ao país de destino, depois de liberado na imigração, seu passaporte será carimbado e você terá até 90 dias para circular por todos os países da União Européia.

Apesar dessa facilidade, você deve tomar certas precauções para não ser barrado na imigração do país de destino. Além de ser obrigatório um seguro saúde no valor de 30 mil euros, você deve levar em dinheiro no mínimo 60 euros por dia, cartão de crédito internacional e também comprovar a quantidade de dias que você irá ficar por lá.

O principal objetivo da documentação é comprovar que você possui “raízes” no Brasil e com isso, a sua intenção de ficar no país de destino como ilegal é a mais baixa possível. Confira as dicas abaixo:

Dicas úteis para imigração

  • Leve as reservas dos hotéis impressas ou carta convite no caso de ficar em casa de amigos ou parentes;
  • Passagem de volta;
  • Passagens das viagens pela Europa reservadas antecipadamente (ônibus, trem, avião);
  • Holerite (contracheques, informe de rendimentos);
  • Carteira de trabalho;
  • Cópia de escritura de imóvel em seu nome;
  • Cópia da certidão de casamento;
  • Seguro viagem;
  • Comprovante de matrícula escolar;
  • Separe os documentos necessários e leve-os em sua bagagem de mão;
  • Na imigração, caso haja muita dificuldade para entender a língua, você tem o direito de solicitar um intérprete;
  • Caso você pretenda desembarcar na Inglaterra, a dica é entrar em contato com a embaixada do país antes da viagem para pedir as traduções dos documentos necessários. Apesar de pagar para isso, a tradução e carimbo da embaixada é mais uma garantia que você provavelmente não será “devolvido”.

Além dos documentos listados acima, para aproveitar diversas vantagens e descontos, você pode levar a carteirinha de estudante. Para quem pretende se hospedar nos diversos albergues da Europa, a dica é adquirir a carteirinha do HiHostels.

Europa: Por pacote de viagens ou por conta própria?

Comprando um pacote de viagens e viajando com uma excursão você terá mais comodidade porque a agência de viagens irá escolher os hotéis, passeios, horário de saída e chegada, ou seja, ela irá organizar tudo para você em sua viagem pela Europa.

Já se a escolha for ir por conta própria, você poderá ter a experiência de ser dono do seu próprio nariz e se programar como bem entender.

Assim, o decisão deve ser entre a comodidade e roteiro pronto do pacote ou menor custo e personalização da viagem por conta própria.

Europa: Por pacote de viagens ou por conta própria?

Para nós do ILoveTrip, a viagem por conta própria é sempre muito mais rica em detalhes, surpresas, amizades locais, descobertas e emoções. O propósito de ter que se virar sozinho é justamente o ponto alto da viagem.

Você aproveita mais porque terá que pesquisar informações, falar com novas pessoas, experimentar os momentos cotidianos como ir ao supermercado, andar de ônibus, andar pelas ruas, adorar se perder por ter a oportunidade de conhecer coisas que não estavam no seu roteiro e sentir, nem se for apenas poucos dias, como é viver naquele lugar.

Em cada viagem realizada você traz na mala não só coisas materiais, mas experiências de vida. Por isso, nós do ILoveTrip preferimos e indicamos que você sofra um pouquinho mais – se é que é um sofrimento planejar a viagem dos seus sonhos! – porque no final, a recompensa vale muito mais a pena.

Vou contar para vocês um episódio da nossa viagem pela Europa que me marcou muito. Após caminhar à noite pela Champs Elysées, uma das avenidas mais famosas do mundo que fica em Paris, parei na esquina bem em frente ao Arco do Triunfo para admirar o cenário único desse lugar todo iluminado pelas luzes, pelo movimento e pela diversidade de pessoas. Fiquei ali por um bom tempo quando ouvi algumas vozes familiares e eufóricas.

Acabava de chegar um ônibus com uma excursão de brasileiros! Após algumas disputas de ângulos e fashs entre as câmeras, uma pessoa me pediu para tirar uma foto rapidamente, pois o guia da excursão já estava chamando todos para voltarem ao ônibus, pois os 10 minutos previstos para ficarem por ali já estavam se esgotando. Dá para notar a diferença dos dois estilos de viagem?

É claro que não podemos ser radicais. A viagem por pacote tem grandes benefícios e vantagens. Nem todos os roteiros são corridos e a oportunidade de ter transporte à disposição com um guia que além de tradutor também conhece bem o lugar, facilita e muito a comodidade das pessoas, tornando a viagem mais acessível e simplificada. Por exemplo, para uma família com crianças ou grupos de melhor idade, a opção por pacote pode ser ideal.

Para um casal em lua de mel ou para pessoas que querem férias sem preocupações, os serviços de agência de turismo e pacote também podem ser uma ótima escolha. Mesmo para aqueles que preferem curtir a viagem por conta própria, mas estão sem muito tempo para conhecer o lugar, os pacotes podem quebrar um super galho. Se é sua primeira vez na Europa e também está com dúvidas e medo de se virar sozinho, o pacote também pode ser a solução.

É por isso que deixamos aqui nossa opinião e os prós e contras sobre os dois tipos de viagem, pois acreditamos que essas informações ajudarão você a escolher a melhor opção que atenderá as suas expectativas. Escolha qual o seu estilo e mergulhe na aventura, porque independente do que escolher, você irá aproveitar – e muito! – todos os momentos. Afinal, o melhor de tudo é poder viajar.

Europa: Levar mala ou mochila?

Que dúvida cruel! Esse foi um dos problemas que levamos um bom tempo para resolver.

Na verdade, quando as pessoas pensam em uma grande viagem por vários países, já associam de cara um estilo de viagem com mochila, talvez porque ela passe a impressão de ser mais prática e mais independente. Afinal, fazer um mochilão na Europa e não levar mochila parece até meio estranho, não é? Foi pensando nisso que decidimos curtir a viagem a caráter, levando nosso mochilão nas costas.

Europa: Levar mala ou mochila?

Guardando a bagagem no hotel

Viajar para Europa com mochila foi uma boa experiência, mas vimos no final que para o tipo de viagem que fizemos não necessariamente precisaríamos ter levado a casa nas costas. Primeiro porque você não precisa ficar levando a mala para todos canto. Confirmamos antes com todos os hotéis que reservamos se eles ofereciam o serviço de guarda de bagagem e todos, sem exceção, tinham esse serviço, a maioria de graça. Muitos dispõe de uma sala própria para deixar a bagagem fechada e etiquetada dos hóspedes (geralmente você pega um recibo com um número da mala).

Assim, mesmo quando chegávamos cedo à cidade, íamos direto para o hotel, deixávamos todo o peso por lá e saímos só com o essencial em uma mochila menor. O serviço de guarda bagagem é uma mão na roda porque você muitas vezes chega ao hotel antes do check-in ou tem que sair da cidade muito depois do check-out e com esse serviço, independente do horário que começa e termina sua diária no hotel, você pode deixar as malas por lá e sair para fazer alguma coisa, sem ter que carregar o peso para onde for.

Transportes e a bagagem

Outro ponto importante foi a escolha de antemão de hotéis e pousadas próximas a transportes como estações de metrô e trem. Os transportes lá fora funcionam muito bem, todo mundo usa e como os lugares são turísticos, não é difícil ver pessoas carregando malas e mochilas por toda parte.

A maioria dos aeroportos, estações de trem e de ônibus fazem interligações com o metrô, além de você ter a opção de ônibus especiais de turismo e trens com fácil acesso para os principais pontos da cidade. Isso facilita demais a locomoção, até com malas, não sendo necessário ficar pegando táxi toda hora.

Na verdade, em nenhum momento pegamos táxi durante nossa viagem e podemos dizer que a locomoção com mochila foi super simples e com certeza também não teríamos problemas se tivéssemos levado mala.

Por isso, na hora de decidir não imagine que você irá ficar andando por aí com a bagagem, porque isso não acontece. Tenha em mente que você só vai carregar a mala quando sair do hotel para o aeroporto/trem e do aeroporto/trem de destino para o hotel de destino.

Viajando com mala de rodinhas

É por isso que apesar de termos escolhido o estilo mochileiro de ser, se tivéssemos optado pela mala não teríamos grandes problemas. Se você optar pela mala com rodinhas, o ideal é levar uma mala média e uma mochila média.

Enquanto a mala pode ser despachada, no caso de aviões, você pode levar com você a mochila com os principais pertences e objetos pessoais. Pode ser uma boa combinação. O que definitivamente não dá é fazer uma viagem com diversas paradas e andar por aí com uma mala GG.

Além de chamar muito a atenção, ela pesa e mesmo com a facilidade dos transportes fica muito desconfortável.

Viajando com mochila

Agora se você não quer abrir mão da mochila, aproveite as dicas abaixo:

– Para começar, quando compramos nossas mochilas de 65 litros não tínhamos pensado em algo extremamente importante: segurança! Claro, passar por vários países e cidades com mochila aberta, mesmo em países do primeiro mundo, é vacilo total. Como nas mochilas de viagem existem muitos zíperes e alguns fechos diferentes era inviável usarmos apenas cadeados.

Procuramos soluções na internet e descobrimos uma capa de chuva (uma outra preocupação com a mochila) que servia para fechá-la também. Acabamos desistindo pelo preço porque sairia mais caro do que a própria mochila.

Optamos então por lacres, simples, baratos, leves e pequenos que quebraram um super galho para aumentar a segurança e substituir uma dúzia de cadeados. Também levamos o próprio plástico da embalagem da mochila para servir como capa de chuva. Usamos apenas uma vez essa adaptação, mas valeu à pena.

Dica: algumas mochilas já são vendidas com a capa de chuva.

A outra dificuldade foi o peso! Conforme a viagem vai rolando, a bagagem vai ficando maior e mais pesada. Se você não tiver um bom preparo físico, se cuide! É importante também se desapegar de muita coisa para levar só o necessário.

No nosso caso, apesar do preparo físico, quando chegamos na primeira cidade, Lisboa, nos surpreendemos com uma ladeira que parecia ser infinita. A mochila que saiu com folga do Brasil, parecia estar cheia de pedras quando estávamos nos últimos passos rumo ao topo da subida para chegar ao hotel.

Dicas para bagagem 

Seja qual for a sua escolha, listamos abaixo algumas dicas para qualquer tipo de bagagem:

  • Identifique a mala: se a mala for extraviada dentro do Brasil já é uma dor de cabeça, faz ideia se isso acontecer lá fora? Para evitar esse problema sempre utilize etiqueta com nome, endereço (com país de origem) e telefone. Além disso, amarrar uma fita colorida ou qualquer outra coisa que identifique sua mala das demais faz toda a diferença. Identificar sua mala evita perdê-la e ajuda a localizá-la mais facilmente entre as outras bagagens.
  • Tamanho e peso da mala: cada companhia aérea estabelece seus padrões de tamanho e peso para a bagagem. Consulte as regras de cada empresa. Caso sua bagagem fique acima do peso estabelecido, você terá que pagar uma taxa a mais por excesso de bagagem. Outra informação importante é que as companhias aéreas low cost (de baixo custo) da Europa costumam restringir bastante o peso e tamanho da bagagem. Por isso, antes de comprar as passagens para se locomover dentro da Europa, veja as regras e taxas para despachar as malas. Dependendo do que você for levar, o barato pode sair caro!
  • Check list da mala: já falamos sobre isso em outro post e vamos insistir no assunto para você não esquecer do essencial. Claro que você não quer chegar do outro lado do atlântico e se lembrar de alguma coisa que esqueceu de trazer. Por isso, faça uma lista de tudo que deve ir na mala!
  • Bagagem de mão: as companhias aéreas também estabelecem dimensões e peso para a bagagem de mão. Acesse o site da empresa antes da viajar para não ter surpresas na hora da viagem. Confira dicas sobre o que levar na bagagem de mão clicando aqui.
  • Cadeados: quanto mais segurança melhor! Os mais indicados são os cadeados que seguem o padrão TSA, departamento responsável pela segurança dos EUA. Tanto nos EUA como na Europa alguns aeroportos podem abrir sua mala caso julguem necessário a vistoria. Se isso acontecer e você tiver o tal cadeado TSA, os fiscais conseguem abrir e fechar a mala sem danificar ou quebrar o cadeado. Mas existem também outras formas de feches como o próprio lacre e capa que já comentamos mais acima.
  • Bolsa usar durante os passeios: Pense que para o dia a dia você precisará de uma bolsa pequena para guardar seu kit sobrevivência como documentos e máquina fotográfica. O ideal é levar uma mochila ou bolsa pequena.

Europa: O que levar na mala – roupas

É comum as pessoas colocarem na mala mais coisas do que irão precisar. Mas, independente de quanto tempo durar sua viagem e da quantidade de compras que você pretende fazer na Europa, sempre tenha em mente a dica valiosa: leve o menos possível!

Europa: o que levar na mala – roupas

Prefira roupas com tecidos leves, que não amassem muito e o mais importante, que sejam bem confortáveis. Afinal, você está viajando, relaxe!

Outra dica são as peças curingas que combinam umas com as outras. Evite levar roupas muito coloridas e que chamem a atenção. Você facilmente irá enjoar. Roupas com cores mais discretas como preto, branco, cinza, jeans são ótimas e combinam com tudo.

Para deixar o look mais bacana, abuse dos acessórios como lenços, cintos, brincos que dão um destaque, itens pequenos que dão destaque e podem ser usados com diferentes peças. Trocando apenas os acessórios, você pode variar o estilo e não sair nas fotos com a mesma roupa.

>> PLANEJE SUA VIAGEM << ENTENDA POR QUE O SEGURO VIAGEM É INDISPENSÁVEL  PARA VOCÊ FAZER UMA VIAGEM TRANQUILA E ECONÔMICA!

Não esqueça que você irá andar muito. Por isso, calçados confortáveis como tênis são uma boa pedida. Nada de saltos exagerados para as mulheres. Se você fizer questão, leve um salto apenas para usar à noite ou em algum lugar especial.

Outra dica é levar sapatos que você já está acostumado a usar. Sapatos novos podem machucar os pés.

Lista de roupas para levar na mala

A quantidade de roupas na mala irá depender de que época você irá viajar e quais países pretende conhecer. O clima varia muito entre as estações de ano e entre os países do norte, mais frios, e do sul, mais quentes. Para uma viagem de um mês pela Europa na primavera, sugerimos as seguintes peças básicas para a mala (leia o tópico mais abaixo Dica o que levar na mala: compre roupas novas por lá):

Homens

  • 5 camisetas
  • 2 camisetas de manga longa
  • 2 sweaters
  • 1 casaco
  • 2 calças jeans
  • 1 calça de tecido mais leve
  • 1 bermuda
  • 7 peças íntimas
  • 5 pares de meia
  • 1 par de luvas
  • 1 touca
  • cachecol
  • 2 tênis confortáveis
  • 1 chinelo

Mulheres

  • 5 blusas/camisetas
  • 2 blusas de manga comprida
  • 2 sweaters
  • 2 casacos
  • 3 calças jeans
  • 1 calça de malha
  • 1 shorts ou saia
  • 2 vestidos
  • 7 peças íntimas
  • 5 pares de meias
  • 1 meia-calça
  • lenços e cachecóis
  • 1 touca
  • 1 par de luvas
  • 1 bota cano longo
  • 1 tênis confortável
  • 1 sapato baixo
  • 1 chinelo

Dica o que levar na mala: Lavanderia

Por todo lugar você irá encontrar lavanderias. Por causa dessa facilidade, você não precisa se preocupar em levar uma peça de roupa para cada dia. Aproveite também para lavar as peças íntimas no próprio hotel, durante o banho.

Dica o que levar na mala: roupas amassadas

Se a peça de roupa estiver amassada, uma dica legal é colocá-la pendurada no banheiro enquanto toma banho. O vapor de água ajuda a amolecer o tecido e, consequentemente, melhora o aspecto amassado.

Dica o que levar na mala: compre roupas novas por lá

Os países da Europa não costumam ser nenhum paraíso das compras como os EUA. Estamos falando de compras em Euros e Libras (caso da Inglaterra). Essas moedas são bem mais valorizadas que o real e por mais baratos que alguns produtos sejam, quando você fizer a conversão, pode se assustar.

Mas claro, para alguns produtos, mesmo com o câmbio alto, os preços saem mais baratos. Por isso, mesmo se você não for daqueles maníacos por compras, pode ter certeza que vai acabar comprando alguma coisa por lá.

Por isso, ao invés de comprar roupas por aqui, pense em levar o menos possível e comprar algumas coisas por lá mesmo. Assim, você evita carregar a mala lotada durante toda viagem, vai ter espaço para colocar algumas comprinhas e ainda volta para casa com o guarda-roupas renovado!

Europa: O que levar na mala – acessórios úteis

Além de roupas e objetos pessoais, existem alguns acessórios que não podem faltar na mala. Confira a lista:

Europa: O que levar na mala – acessórios úteis

  •  Adaptador de tomada universal: as tomadas em outros países têm formatos diferentes. Por isso, leve pelo menos um adaptador. Você pode encontrá-lo em lojas de eletrônicos.
  • Almofada para pescoço: como a viagem de ida e volta é bem longa, leve uma almofada inflável para o pescoço. Ela não ocupa espaço e ajuda a descansar. Você pode encontrá-la para venda em lojas de malas e acessórios para viagem.
  • Porta – moedas: para se prevenir, este acessório é muito bom para carregar documentos e dinheiro. Ele é uma bolsinha de pano que você prende na cintura por baixo da roupa. Afinal, segurança nunca é demais! Você também pode encontrar o porta-moedas em lojas de malas e bolsas.
  • Câmera fotográfica: indispensável para registrar os momentos inesquecíveis da viagem.
  • Bateria extra para a câmera: nem pensar em ficar sem tirar fotos! Como precaução é sempre bom levar uma bateria extra para não ficar sem os cliques. Não se esqueça também do recarregador de bateria.
  • Bolsa/mochila pequena para os passeios: sim, você vai andar muito e terá que carregar algumas coisas como documentos, dinheiro, guias, água, etc. Por isso, não deixe de levar uma pequena mochila prática para levar esses objetos do dia a dia.
  • Canivete suíço: seja para abrir uma garrafa de vinho ou cortar um queijo, o canivete suíço sempre vai ter alguma utilidade. Só não esqueça que ele deve ser despachado na mala. Além disso, caso você ainda não tenha um, deixe para comprar por lá mesmo. Você encontra boas marcas por preços bem mais acessíveis.
  • GPS com mapa da Europa: se a opção for viajar de carro, você também poderá alugar o GPS por lá mesmo. Mas, se preferir, pesquise e leve o seu de casa.
  • Guias de viagem: se preferir, leve guias de viagem e de idiomas para ajudar no dia a dia. Mas não se preocupe. Você também pode acessar o ILoveTrip de qualquer lugar para tirar as suas dúvidas e pegar as nossas dicas.
  • Caneta e papel: na era dos tablets e smartphones às vezes ainda pode ser necessário um papel e caneta para anotar informações diversas.
  • Netbook ou ultrabook: além do celular, o netbook também pode quebrar um galho! Pequeno e multiuso (menor do que o notebook), você pode usá-lo para se comunicar com as pessoas do Brasil, descarregar fotos, acessar e tirar dúvidas com o ILoveTrip, consultar mapas, reservar passeios e muito mais. Além disso, você poderá utilizá-lo para acessar a internet sem fio em hotéis ou rede de fast-food que muitas vezes oferecem o serviço de graça. Se tiver em casa, recomendamos levar.
  • Pen drive ou HD externo: se não for levar netbook, leve esses acessórios para descarregar as fotos.

Europa: O essencial para levar na mala

Para complementar o check-list do que levar na mala para viagem à Europa, listamos alguns produtos essenciais que você não deve esquecer (listamos alguns acessórios unissex e alguns só para mulheres). Confira:

Europa: O essencial para levar na mala

Remédios: leve remédios que você costuma usar para situações como gripe, dores de cabeça, alergias, etc. Na Europa existem outros laboratórios e você pode demorar até achar algum remédio que resolva seu problema.

Higiene: leve na mala um pouco do básico: escova e pasta de dente, fio dental, sabonete, shampoo, cortador e lixa de unha. Mas não exagere. Se precisar, você pode achar esses produtos em qualquer mercado/perfumaria.

Beleza: cremes, filtro solar, desodorante, perfume e  maquiagem. A mesma dica de cima serve para esses produtos. Aproveite para comprar por lá, por exemplo, um perfume novo.

Pequenos acessórios: escova para cabelo, espelho, presilhas para prender o cabelo, brincos, colares e relógio, são algumas sugestões. Além disso, sempre tenha na mala um pequeno kit de costura (com agulha e pedaços de linhas de cores variadas) e alguns alfinetes. Pode quebrar um super galho caso aconteça um acidente de última hora com a roupa.

Capa de chuva: se não estiver com tanta sorte assim de passar todos os dias da viagem sem chuva, leve uma capa para as horas de emergência. Se preferir, você também pode comprar um guarda-chuva por lá mesmo.

Europa: Como arrumar as malas?

Escolher o que vai levar na mala é difícil. Pior ainda é fazer com que tudo caiba dentro dela.  Seja a escolha por mochila ou por mala de rodinhas, aproveite as dicas do ILoveTrip para organizar sua bagagem.

Europa: Dicas de como arrumar as malas

  • Dica 1- enrole tudo que puder: ao invés de dobrar as roupas, o ideal é fazer rolinhos com as camisetas e calças para que as peças fiquem menos amassadas. Por exemplo, enrole as camisetas após dobrar as mangas e as partes laterais para dentro. Essa técnica também ajuda a ocupar menos espaço na mala.
  • Dica 2 – sacos transparentes para as roupas: separe as roupas por tipo e coloque dentro de sacos ou embalagens transparentes, de preferência com zíperes. Assim, quando quiser uma camiseta, por exemplo, é só tirar da mala o saco com camisetas. Você pode aproveitar os sacos plásticos que tiver em casa das embalagens de roupa de cama, mesa e banho. Essa adaptação é legal porque os plásticos são grossos, a embalagem é grande, fechada e transparente o que facilita a localização das peças dentro da mochila/mala.  Em hipermercados e lojas de utilidades domésticas você pode achar com facilidade os famosos Space Bags, sacos transparentes onde você coloca a roupa dentro e enrola o plástico tirando todo o ar de dentro. Com isso suas roupas ficam empacotadas em uma espécie de embalagem a vácuo. Ocupa bem menos espaço.
  • Dica 3 – os calçados: coloque cada par de calçados dentro de sacos próprios ou sacolas plásticas com as solas voltadas umas para as outras. Para compactar e prender os sapato a dica é colocar um elástico em volta de cada saco.
  • Dica 4 – necessaires: prefira as frasqueiras com divisórias para organizar os produtos de beleza, higiene e maquiagem. Tudo deve estar separado e principalmente o que for líquido deve estar enrolado dentro de sacos plásticos individuais.
  • Dica 5 – a ordem das coisas: a dica é colocar tudo que for mais pesado (calçados, jeans, blusas) no fundo da mochila/mala. Para facilitar o acesso, deixe por cima as peças leves e o que for usar mais durante a viagem.
  • Dica 6 – separe as roupas sujas: se a mochila/mala não tiver compartimentos apropriados, leve saquinhos para separar e transportar as roupas sujas, limpas e molhadas.
  • Dica 7 – organização de mala tradicional: se você levar uma mala tradicional de rodinhas, a organização também pode ser feita da seguinte forma: primeiro coloque as calças no fundo da mala, sem dobrar no comprimento, deixando parte da calça para fora. Em seguida, coloque por cima as roupas mais leves dobradas. O próximo passo é dobrar o pedaço das calças que estão para fora por cima das roupas, como se a calça abraçasse o restante das peças. Essa técnica também ajuda a deixar as peças menos amassadas.

Bagagem de mão

Leve na bagagem de mão (aquela que entra no avião com você) todos os seus objetos pessoais importantes e de valor:

  • Documentos;
  • Dinheiro;
  • Eletrônicos;
  • Objetos de valor;
  • Remédios;
  • Objetos pessoais;
  • Reservas de hotéis e pousadas;
  • Um casaco;
  • Revistas e livros para passar o tempo;
  • Almofada de pescoço.

Dica: Objetos cortantes como facas, alicates e líquidos em quantidade fora do padrão são exemplos de produtos que não podem ser transportados em bagagem de mão, tento que ser obrigatoriamente despachados com a mala. Por isso, se precisar levar líquidos ou creme dentro da bagagem de mão coloque-os em embalagens de até 100 ml.

Europa: Quais países visitar?

Para quem nunca viajou para Europa ter que escolher quais países visitar é um drama. São tantos lugares mágicos que valem a visita que você sofre por ter muitas opções. Cada país cortado do roteiro é como se você tivesse perdendo a oportunidade de visitá-lo. Mas calma! Não é entupindo seu roteiro de países diferentes que você vai conhecer suficientemente cada lugar. Veja nossas dicas abaixo:

Europa: Quais países visitar?

Se essa for sua primeira viagem para Europa, dependendo do tempo disponível, você pode diversificar um pouco mais e conhecer lugares diferentes para pegar a experiência da viagem. Isso é bom para que em uma próxima oportunidade você aproveite para explorar aqueles lugares que você mais curtiu, limitando a sua viagem a um país ou uma região específica. Leia a seção Europa:quanto tempo ficar em cada lugar para pegar mais dicas.

Quais países escolher e visitar: passar pelos países x conhecer os países

A Europa é enorme e pode até parecer mentira, mas visitar tudo de uma vez pode ser uma experiência “muito do mesmo”. Isso porque se tudo for corrido, limitado ao básico dos principais pontos turísticos, você vai se enjoar de ver igrejas, monumentos e museus que perderão toda a graça dos detalhes que passarão despercebidos.

Muitas pessoas optam por esse tipo de viagem, corrida, só para bater cartão nos países e dizer eu conheço “X” (quantidade) de países diferentes. Que tremenda bobagem! Quer ver só, tivemos uma experiência dessas quando estávamos em Londres. Na pousada, encontramos um casal de brasileiros que viajava pela segunda vez à Londres e estavam fazendo um curso de 1 semana de inglês no período da manhã.

Para a nossa surpresa, ao invés deles nos darem dicas de passeios, nós, há três dias na cidade, demos dicas sobre vários lugares que eles ainda não conheciam. Até alguns clichês imperdíveis como Museu Madame Tussads eles ainda não tinham visitado.

Mas a nossa maior surpresa foi o roteiro bate-volta de 1 ou 2 dias que eles programaram para Dublin, Finlândia e outros países. Tudo isso porque o sonho deles era bater cartão em todos os países da Europa, para dizer que conheciam a Europa. Será que dá mesmo para conhecer os lugares com tão pouco tempo?

Passar por países não é a mesma coisa que visitar e conhecer os países. Conhecer mesmo, só se você morar por um bom tempo no lugar, mas reserve alguns dias suficientes para conferir os pontos turísticos e viver um pouco da cultura local.

Ter tempo para andar de ônibus, parar em um café, entrar em um mercado, conferir a lojinha da esquina, conversar com algum morador e viver a rotina dos locais são as melhores experiências da viagem! Explore tudo! Pontos turísticos você poderá ver até pela internet. Por isso, esses pequenos detalhes da viagem fazem toda a diferença.

Quais países escolher e visitar: Nosso roteiro

Nos posts sobre as cidades do nosso roteiro, falaremos um pouco sobre a quantidade de dias que ficamos em cada lugar. Entre em cada um, leia os textos e aproveite as dicas. Mas lembre-se de não deixar seu roteiro “pesado” demais, com muitos lugares com visitas curtas.

Abra a mente e tente curtir ao máximo cada lugar. Você verá que no final vai trazer para casa muitas outras experiências e recordações tão importantes quanto às fotos que você tirou nos pontos turísticos.

Europa: Como escolher hotéis e pousadas?

A dica é escolher o melhor custo x benefício que em sua opinião vale a pena. Por exemplo, antes de decidir quais hotéis escolher, nós do ILoveTrip levamos em consideração alguns critérios que achamos importantes: limpeza, localização, banheiro dentro do quarto, café da manhã, internet, guarda-bagagem, horário de check-in e check-out, faixa de preço, etc.

Como dica, você pode relacionar em uma planilha o ranking de critérios que acha importante, e listar alguns hotéis para ver se atendem ou não às suas necessidades.

Europa: como escolher hotéis e pousadas

Para nós do ILoveTrip é essencial a boa localização do hotel. Fora isso, sempre estabelecemos como mínimo de exigência a limpeza, ducha quente e uma cama agradável para dormir. Junto com um bom preço, na nossa opinião, essas são as características essenciais para a escolha de um bom hotel. Também conta a avaliação positiva de quem já se hospedou no lugar.

Como escolher hotéis e pousadas na Europa: Localização

A localização é sempre um ponto alto para ajudar na escolha de um hotel. Leve em conta a distância do aeroporto ou da estação que irá chegar e ir embora. O tempo que irá levar para chegar ao centro da cidade também deve ser levado em consideração, ainda mais se você fazer uma viagem de poucos dias pelo lugar. Na maioria das vezes, os pontos turísticos estão concentrados no centro das cidades.

A localização próxima às estações de metrô, trem e linhas de ônibus também podem facilitar a sua viagem e devem ser pesquisadas na hora de escolher onde ficar.

Como escolher hotéis e pousadas na Europa: tipos de hospedagem

Na hora de reservar a hospedagem você irá encontrar alguns nomes e tipos de quartos diferentes. Veja abaixo alguns exemplos:

Hotel: a mais conhecida e clássica das hospedagens. Geralmente possuem café da manhã incluso (ou não) na estadia e serviço de limpeza diário. Costumam ser mais caros do que os outros tipos de hospedagem e quanto mais estrelas tiverem, mais bem avaliados são.

Bed and Breakfast: parecido com uma pousada, é um estilo de hospedagem mais simples, geralmente com menos infraestrutura e com poucos quartos. O atendimento, geralmente é mais intimista e você pode pegar dicas com os próprios donos que gerenciam a hospedagem. Costumam ser mais baratos e alguns têm localização privilegiada.

Hostel: os albergues são muito bem vistos por turistas estrangeiros. Os brasileiros, desinformados, costumam não gostar desse tipo de hospedagem. Isso porque o hostel é frequentado pela galera mais jovem e os mochileiros que não têm problema em dormir em beliches e dividir o quarto coletivo com outros viajantes. Mas, além dos quartos coletivos, também são disponibilizados quartos para casais e até individuais. Os hostels geralmente são bem localizados e tem a vantagem de serem econômicos e seguir um padrão de atendimento e qualidade.

Double Room: quarto com cama de casal.

Twin Room: quarto com duas camas de solteiro.

Shared Bathroom: banheiro compartilhado. É normal encontrar a opção de quarto com banheiro compartilhado. Às vezes isso não é um grande problema porque o banheiro é utilizado apenas por dois quartos ou por um – caso tenha sorte. Nos países da Europa é comum encontrar hospedagens com essa opção.

Como escolher hotéis e pousadas: Dicas de sites

É muito difícil escolher o hotel, a pousada ou o hostel apenas pelo site, sem se quer ter visitado o lugar. Em muitos casos é confiar na sorte. Mas, para não vacilar na hora da hospedagem, aqui vão algumas dicas de site para facilitar sua pesquisa e reserva por hotéis na Europa:.

Booking – o melhor site para reservas, com muitas opções de hospedagens. É o que mais utilizamos em nossas viagens pela qualidade e segurança do serviço. Você pode fazer sua consulta e reserva clicando aqui ou usando a ferramenta “Reserve seu Hotel” que está ao lado direito dessa página.

A reserva é online e, desde que respeitado o prazo máximo, você poderá fazer o cancelamento da reserva. Ele mostra fotos, informações e o ponto alto são as opiniões dos clientes que já se hospedaram por meio da reserva no site. As opiniões ficam à disposição para consulta e baseado nelas é indicada uma pontuação para cada hospedagem.

Tripadvisor – um dos mais visitados sites de viagem e hospedagem. Você informa a data de viagem e o destino e ele mostra as opções de hotéis e B&Bs de acordo com um ranking gerado por pessoas que votaram e deram suas opiniões sobre a hospedagem. Além disso, ele lista os sites onde você pode fazer a reserva online do hotel e mostra as fotos que os próprios viajantes tiraram do lugar.

O ponto fraco é que qualquer pessoa pode entrar e opinar sobre a hospedagem, diferente do booking que só quem já fez a reserva do hotel pelo site pode opinar sobre a hospedagem.

Hostelworld – traz uma ampla variedade de hostels. A classificação dos hóspedes obedece alguns critérios como localização, segurança e limpeza. Na hora da reserva online paga-se o equivalente a 10% do total e o restante você pagará no próprio hostel.

Grupo de hotéis Accor-dispõe de várias opções como a rede de hotéis Ibis que seguem um padrão de qualidade e estão presentes em diversos países.

Rede de hotéis Holliday Inn – a rede está espalhada por vários países e, como o grupo Accor, a empresa também estabelece um padrão de qualidade.

Easyhotel – pertencem a companhia aérea low coast EasyJet levando os mesmos tipos de serviço da aviação para a rede de hotéis: oferecem o básico e alguns itens como TV são pagos à parte.  Os quartos são pequenos, porém limpos, confortáveis e você pode achá-los em diversas cidades da Europa.

Europa: Em que época ir?

Na hora de escolher em que época viajar para a Europa, você deve lembrar que o inverno é rigoroso e o verão, em algumas cidades como Roma, podem ser quentes demais até para os brasileiros.

Qual a melhor época para ir para Europa

Estações do ano

Nas férias escolares, entre meados de julho e janeiro, é a época em que os brasileiros mais viajam. Esse período de alta temporada calha bem com o inverno e o verão da Europa. Você sabe que alta temporada é sinônimo de lugares cheios e preços altos. Por isso, se você quer outra opção, tente ir nas duas estações intermediárias.

No outono, em meados de outubro, você já pega um friozinho e terá a chance de ver a linda paisagem coberta pelas folhas secas que caem das árvores.

Na primavera, fique de boca aberta com o espetáculo dos parques floridos e o pôr do sol que se estende até por volta das 21h. Enquanto no Brasil é inverno, na Europa é verão e, quando lá é verão, aqui é inverno. Essa é uma informação importante para você decidir em que época visitar os países.

Reservas com antecedência

Outra coisa importante é que Europa sempre é alta temporada, pelo menos pelo volume de turistas que você sempre irá encontrar pelo caminho. Por isso, esteja preparado para dividir lugares cheios com outros turistas e esse é mais um motivo para fazer as reservas, principalmente de hotéis, com antecedência.

Aproveitando as ofertas

Você também pode se surpreender com as ofertas relâmpagos que as companhias aéreas fazem de vez em quando. Por isso, pesquise bastante sempre. Assim, se for flexível com datas, você pode conseguir uma passagem até pela metade do preço.

Pesquise o calendário de shows e eventos

Escolha a época do ano, consulte os calendários locais para saber sobre algum festival imperdível que esteja rolando e não se esqueça também de conferir a programação de shows nas cidades que vai visitar. Essas informações podem ser valiosas na hora de decidir em que datas visitar determinadas cidades. Se der sorte e com um pouquinho de adaptação no roteiro, quem sabe você pode até curtir aquele show que sonha em assistir e que nunca teve oportunidade de ver aqui no Brasil.

Europa: Quantos dias ficar em cada lugar?

Como já falamos na seção Europa: Planejamento da viagem – cronograma, antes de decidir o roteiro, leia um pouco sobre os lugares que pretende ir e os lugares que te chamam a atenção para visitar. A partir disso estabeleça, se possível com folga, a quantidade de dias que pretende ficar em cada lugar.

Europa: Quantos dias ficar no mínimo em cada cidade?

É normal que cada pessoa goste mais de um lugar do que de outro. Se você, por exemplo, é um fanático por história é bem provável que queira passar alguns dias a mais andando pelas ruas de Roma.

Agora se você já faz o tipo romântico, além de Roma, com certeza vai querer ficar mais tempo pela região de Munique e curtir toda a rota romântica.

Mas, para não ficar complicado demais, o ILoveTrip dá uma mãozinha para você ter uma base de quantos dias ficar, no mínimo, em cada cidade. Lembre-se que a quantidade abaixo se refere a dias inteiros (sem contar os dias de chegada e saída da cidade):

  • Lisboa: 4 dias (3 dias em Lisboa e 1 dia para conhecer Sintra).
  • Madrid: 3 dias (2 dias em Madrid e 1 dia para conhecer Toledo).
  • Barcelona: 3 dias.
  • Roma: 4 dias.
  • Florença: 2 dias (1 dia a mais caso queira dar uma esticada à Pisa ou Siena).
  • Veneza: 2 dias.
  • Munique: 3 dias (2 dias em Munique e 1 dia para conhecer a rota romântica até o “castelo da cinderela”).
  • Berlim: 4 dias (3 dias em Berlim e 1 dia para conhecer Potsdam).
  • Amsterdã: 3 dias.
  • Bruxelas: 2 dias (1 dia em Bruxelas e 1 dia para conhecer Bugres).
  • Londres: 4 dias.
  • Paris: 5 dias (4 dias em Paris e 1 dia para conhecer Versalles).

Quantos dias ficar em cada lugar: Viagem bate-volta

Você também terá a opção de fazer bate-voltas às cidades próximas como é o caso de Sintra,  nas proximidades de Lisboa e Toledo, próxima à Madrid. Se pretender fazer um bate e volta, coloque sempre um dia a mais no roteiro.

Eles são ótimos, você conhece cidadezinhas especiais, sem necessidade de carregar bagagens e tem a vantagem de curtir lugares diferentes.

Quantos dias ficar em cada lugar: Atenção com os horários de chegada e saída

Dependendo do seu roteiro, você irá utilizar transportes diferentes para se locomover entre os países e cidades (veja mais informações sobre transporte na seção Europa: Transporte entre países e cidades).  Cada horário de transporte irá variar, por isso, você poderá perder horas e até o dia todo para se locomover de um lugar para o outro.

Então, não pense que se você tem, por exemplo, 15 dias para viajar serão 15 dias fechados e inteiros de viagem. Pense na situação de um vôo saindo de uma cidade às 12h.

Antes desse horário, você terá que descontar o tempo de organizar as malas, o tempo que levará para fechar a conta no hotel e o tempo para chegar até o aeroporto (o recomendado é chegar com 1h de antecedência no mínimo).

Ou seja, se você fizer as contas, o seu dia já terá ido embora só com o tempo que você gastou com a locomoção.

Por isso, o conselho é não contar o dia da saída/chegada em cada cidade. Procure contar “dias cheios” (que você irá dormir e acordar na cidade) para fazer sua programação.

O tempo que sobrar entre o transporte de um local para o outro, procure pensar como um bônus e utilizar para pegar informações, conhecer a redondeza ou fazer algum passeio próximo ao hotel. Assim, você não deixará de visitar alguma atração caso um voo atrase ou algum outro imprevisto aconteça.

Quantos dias ficar em cada lugar: Fuso Horário e Horário de Verão

Existem três fusos horários diferentes na Europa. Por isso, fique esperto e sempre ajuste seu relógio:

  • Países na região oeste: o horário na Grã Bretanha, Islândia, Irlanda e Portugal é de 3h a mais em relação ao horário de Brasília.
  • Europa Central: a diferença no horário dos países da Europa Central, tais como Holanda, Itália, França, Dinamarca, Espanha e Alemanha é de 4h a mais em relação ao horário de Brasília.
  • Leste Europeu: países do Leste Europeu, tais como Finlândia, Grécia e Turquia, marcam uma diferença de 5h a mais que Brasília.

Veja o quadro abaixo com as principais cidades e as diferenças nos fusos horários:

   FUSO HORÁRIO

Europa
  • Bruxelas + 4h
  • Paris +4h
  • Barcelona +4h
  • Berlim +4h
  • Amsterdã +4h
  • Lisboa +3h
  • Londres +3h
  • Madrid +4h
  • Roma +4h

Para calcular sem erro a diferença de horário, leve também em consideração o horário de verão europeu. A maioria dos países ajusta o horário desde o último domingo de março até o último domingo de outubro. Para não errar, aí vai a fórmula: se o padrão da cidade é ter +3h de diferença que o Brasil, no horário de verão europeu, essa diferença cai para +2h.

Não se esqueça que no Brasil também existe horário de verão. Sendo assim, a dica é ficar bem atento para não errar!

Europa: Transporte – trem, avião, carro e ônibus

Tão difícil quanto escolher os países e quantos dias ficar em cada lugar é escolher qual o melhor meio de transporte para se locomover entre as cidades/países da Europa. Existem muitas opções e a melhor dica é mesclar os transportes dependendo do tipo de viagem, do roteiro e das cidades escolhidas.

Europa transporte: trem, avião, carro e ônibus

Por muito tempo, quando se pensava em ir à Europa a primeira opção de transporte era o trem. Ele interliga diversos países, é regular quanto aos horários, confortável, rápido (alguns são de alta velocidade) e ainda você confere paisagens fantásticas.

Nos últimos anos, entretanto, com a chegada das companhias aéreas low cost, o trem ganhou um forte concorrente devido aos preços absurdamente baixos. Apesar de alguns probleminhas que você pode ter, a viagem área compensa muito nos trajetos de longa distância.

Confira abaixo as dicas e informações de cada meio de transporte. Vamos dos menos aos mais populares:

Ônibus

Ainda muito utilizado no Brasil, o ônibus não deixa de ser uma alternativa para a Europa. Apesar de não serem tão confortáveis quanto os nossos, os preços podem ser baixos como algumas empresas aéreas low cost, porém o tempo de viagem é um grande empecilho. Prefira esta opção para rotas onde os trens são muito caros ou você não encontrou nenhuma pechincha em uma companhia aérea low cost.

A Eurolines é uma empresa continental que abrange diversas companhias rodoviárias de toda a Europa. Vale cotar preços em www.eurolines.com.

Carro

Uma ótima alternativa para você que dispõe de tempo e quer sair dos trajetos tradicionais. Com essa opção você pode conhecer a fundo cidadezinhas históricas e ainda pode parar por um período maior em cada região para apreciar aquela paisagem sensacional.

Para alguns roteiros o carro é essencial como é o caso da rota romântica na Alemanha ou ainda passar por cidades no interior da Itália.

Já para cidades grandes, nem pense em alugar um carro. Você ganhará dor de cabeça, estresse e vários euros a menos. Nestas cidades, prefira sempre o transporte público.

Na maioria dos países, a documentação exigida é apenas a nossa carteira de habilitação (CNH). Porém, para países como Itália e França você irá precisar da carteira de habilitação internacional. Você pode solicitar a sua habilitação internacional por meio do Detran de sua cidade. Procure providenciar o documento com pelo menos dois meses de antecedência da sua viagem. 

Avião

Como já falamos, a chegada das companhias low cost mudaram o panorama do transporte de viagem na Europa. Elas utilizam várias formas para diminuir os custos da passagem, cobrando tudo à parte, desde item despachado até sua reserva de assento na aeronave.

Por isso, cuidado! Aquela passagem que aparentemente está com uma super oferta pode sair muito mais cara do que uma passagem de trem, acrescentando o custo de excesso de bagagem, a compra de algum lanche, etc.

Com alguns meses de antecedência, acesse sites como o Skyscanner  e faça pesquisa de preços. Nunca deixe para a última hora. Faça cadastro nas empresas mais famosas e aproveite as grandes ofertas. Acredite, você poderá pegar trechos pagando  menos de 10 euros!

Algumas das companhias low cost mais famosas são:

Trem

Ainda hoje, a maneira mais prática de viajar pela Europa – e para muitos a mais charmosa! – é viajar de trem. A vasta malha ferroviária, os diversos trechos percorridos por trens de alta velocidade e ainda a experiência de admirar da janela paisagens únicas, faz com que o transporte faça parte da experiência da viagem.

Dica: Para o trajeto de trem, prefira trechos de até quatro horas para que a viagem não fique cansativa.

Sobre a viagem noturna de trem, ela tem seus prós e contras. Fazendo uma viagem noturna, além de economizar com hospedagem, você ganha tempo de viagem com o transporte de um lugar para o outro. Isto pode ser  uma opção para economizar tempo e dinheiro. Porém, alertamos que não é uma das opções mais agradáveis.

Você poderá comprar os trechos diretamente com as empresas de cada país ou comprar um passe  que dá direito a visitar vários países em um determinado período ou em um roteiro específico. A empresa mais famosa que vende esse tipo de passagem é a Rail Europe.

Com o seu roteiro definido, vá até o site e procure pelos diversos pacotes que eles oferecem. Compare com os outros meios de transporte. Você pode até comprar alguns trechos avulsos para ter certeza que fará um bom negócio.

Em alguns países, viajar de trem é muito mais fácil que qualquer outro meio de transporte como é o caso da Itália. A empresa Trenitália possui passagens incrivelmente baratas. Há ainda outras empresas como a Bah na Alemanha, Renfe na Espanha e um ótimo trecho da Thalys que compõe França, Bélgica e Amsterdã.

Inclua pelo menos uma viagem de trem de alta velocidade em seu roteiro e sinta a emoção de um transporte rápido, sem burocracia (nada de check-in, esteira de bagagem) e, principalmente, pontualidade extrema – um benefício que pode trazer sérios problemas para aqueles sempre atrasadinhos.

Ainda em dúvida sobre Como planejar sua viagem para europa? Deixe sua pergunta nos comentários!

Monte Sua Viagem Aqui

  • Aluguel de carro » Descontos incríveis de até 60%, sem IOF nas reservas internacionais, parcelamento em até 12 vezes e cancelamento gratuito.
  • Reserva de Hotel ou Pousada » O Booking.com é o site líder mundial em reservas on-line de acomodações, onde faço minhas reservas há anos! Reserve com segurança, antecedência e pelo melhor preço!
  • Casa de Temporada (Tipo Airbnb) » Sabia que no Booking.com é possível alugar também casas e apartamentos? Muito mais simples, com filtros e sem burocracia!
  • Seguro Viagem » Tenha na mala o melhor amigo da sua saúde. Não deixe de viajar sem seu seguro viagem. Pegue seu cupom exclusivo e faça o seu agora mesmo!
  • Chip internacional » Já saia do Brasil com um chip internacional pré-pago no seu telefone e chegue ao seu destino conectado. Facilidade para pegar UBER, consultar sobre transporte público e pesquisas no Google. Válido para diversos países da Europa, Ásia, Oceania e Américas.
  • Passeios ou Ingressos » Fuja das filas comprando seu ingresso antecipadamente. Deixe sua experiência de viagem ainda mais fantástico com milhares de passeios.

PARTICIPE! DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Por favor informe seu nome aqui

Casal ILoveTrip

Fundadores do blog, Carla e Erval viajam juntos juntos há mais de 15 anos. Com o passaporte carimbado em 45 países, adoramos falar e dar dicas sobre nossas andanças pelo mundo. Saiba mais

Posts Recentes

Os mais populares