17° dia – Porto Alegre e Cambará do Sul

17°-dia-–-Porto-Alegre-e-Cambará-do-Sul

Após o café e depois da dificuldade de sair de Porto Alegre (muitas ruas do centro são mão única, então mesmo com o mapa fica ruim), saímos sentido Cambará do Sul. O dia parecia fechado, ainda mais quando passamos pela cidade de São Francisco de Paula. A neblina estava encobrindo toda a cidade e como ela é pequena, parecia uma cidade fantasma. Paramos no posto de informações turísticas logo na entrada (muito bom) e passamos pela cidade para abastecer o carro e ir ao banco.

Dicas: 1 – Em Cambará do Sul você só encontra o Banrisul e Sicred. Por isso, prefira sacar dinheiro antes de chegar à cidade. São Francisco de Paula tem mais opções de bancos.
2 – Encha o tanque do carro em Porto Alegre, pois em Francisco de Paula e Cambará do Sul o preço do combustível aumenta consideravelmente.

Ao lado do portal de Cambará tem um carro amarelo feito de pedra e cimento. Parece que é uma lenda da região para São Cristóvão proteger os caminhoneiros na estrada.

 

Carro ao lado do portal da cidade - Cambará do Sul
Carro ao lado do portal da cidade – Cambará do Sul

 

Mais adiante seguimos para achar o posto de informações turísticas de Cambará. Ele fica na outra ponta da cidade, mas como ela é pequenininha chegamos lá em menos de 10 minutos. Pegamos as informações, achamos a pousada Bela Vista no mapa (o que não é nada difícil por que são pouquíssimas ruas na cidade) e maravilha, o lugar era lindo.

A pousada Bela Vista (R$80,00 a diária para casal com café da manhã), tem apenas 6 chalezinhos, todos iguais e de madeira. Dentro, uma cama de madeira com um colchão agradável, vários cobertores e lençol térmico, TV, um sofá cama, uma ducha agradável e no lugar da lareira, um fogãozinho a lena bem antigo que traz todo o aconchego e charme para o lugar.

 

Chalé da Pousada Bela Vista - Cambará do Sul

Chalé da Pousada Bela Vista – Cambará do Sul

 

Saímos para amoçar no restaurante da Regina, na av. Getúlio Vargas e comemos um generoso “A la Minuta” que significa “prato feito”. Simples e muito bom. Na cidade não existe muitas opções de restaurante.

Voltamos para a pousada Bela Vista, descansamos um pouco e mais à tarde, de lá mesmo, vimos o pôr do sol. A vista do lugar é linda, voltada para dois lagos.

Para o jantar resolvemos pedir uma porção de petiscos na própria pousada e a beira do fogãozinho a lenha, abrimos um queijo e um vinho comprado em Bento Gonçalves.

Dúvidas? Sugestões? Opiniões? Deixe abaixo o seu comentário.

Leia os outros posts sobre nossa viagem ao sul do Brasil:

 

7 COMENTÁRIOS

PARTICIPE! DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Por favor informe seu nome aqui